Escolhas em nossa vida

     Desde pequenos aprendemos que, ao fazer uma opção,estamos descartando outra, e de opção em opção vamos tecendo essa teia que se convencionou chamar "minha vida".
        Não é tarefa fácil. No momento em que se escolhe ser médico, se está abrindo mão de ser piloto de avião. Ao optar pela vida de atriz, será quase impossível conciliar com a arquitetura. No amor, a mesma coisa: namora-se um, outro, e mais outro, num excitante vaivém de romances. Até que chega um momento em que é preciso decidir entre passar o resto da vida sem compromisso formal com alguém, apenas vivenciando amores e deixando-os ir embora quando se findam, ou casar, e através do casamento fundar uma microempresa, com direito a casa própria, orçamento doméstico e responsabilidades.
         As duas opções têm seus prós e contras: viver sem laços e viver com laços...
         Quem dera pudéssemos ser uma pessoa diferente a cada 6 meses, ser casados de segunda a sexta e solteiros nos finais de semana, ter filhos quando se está bem-disposto e não tê-los quando se está cansado.    

          Por isso é tão importante o auto conhecimento. Por isso é necessário ler muito, ouvir os outros, estagiar em várias tribos, prestar atenção ao que acontece em volta e não cultivar preconceitos. Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas, elas têm que refletir o que a gente é. Lógico que se deve reavaliar decisões e trocar de caminho: Ninguém é o mesmo para sempre.
     Mas que essas mudanças de rota venham para acrescentar, e não para anular a vivência do caminho anteriormente percorrido. A estrada é longa e o tempo é curto.Não deixe de fazer nada que queira, mas tenha responsabilidade e maturidade para arcar com as conseqüências destas ações.

Lembrem-se: suas escolhas têm 50% de chance de darem certo, mas também 50% de chance de darem errado. A escolha é sua...!

Refletindo:

         Se a vida fosse diferente podendo cada pessoa escolher ser uma em cada ocasião ou temporada: Talvez fosse melhor para algumas, pior para outras... E os filhos, o que seriam dos filhos?
As escolhas de cada pessoa devem ser verdadeiras, como diz o texto. Com a maturidade suficiente para lidar com os resultados, bons ou maus. Aceitando as incertezas e as dificuldades como e quando elas se apresentam, lutando para sair delas com ânimo e coragem.
E os laços que se criam através do tempo, nos relacionamentos, como seriam desatados ou mais fortemente ligados?
O texto diz que o destino pouco tem a ver com as escolhas pessoais. Acredito que o acaso ou destino não existe. pois cada ser humano está a todo instante, construindo o seu amanhã.
Olhando para a vida do Planeta, dos grupos sociais, do ser enquanto indivíduo dessa geração, quais seriam as escolhas da maioria do homem planetário?

Página Anterior Próxima Página Home